Dingobel

Sou menina de cidade pequena e de família ENORME, então o natal sempre foi para mim um ACONTECIMENTO. Uma data linda muito especial recheada de felicidade e pessoas que amo. Árvore cheia de presentes e uma mesa muito FARTA de comidas e doces. Sim eu amo o natal, ou pelo menos amava. É que as tradições estão sendo quebradas a cada ano, as pessoas não se importam tanto como antes e o natal acaba sendo só mais um motivo qualquer para comer e beber. Ah como eu gostava do meu tempo de criança quando existia mágica. Sei que alguma famílias ainda seguem a tradição, mas a pequena parte da minha família com que tenho contato no dia a dia já não é mais assim apaixonada pela data. Sei que quero preservar a data o quanto puder para que meus filhos e meus netos possam ter um pouquinho do que um dia eu tive.

Enquanto essa data não chega, FELIZ NATAL !

Ela

Hoje ela acordou diferente. Escolheu a menor roupa, passou a mais chamativa maquiagem, pegou a sandália mais alta que tinha no armário. Hoje ela acordou para arrasar todos os ex-namorados, ex-peguetes, ex-amigas e tudo que for possível colocar no pacote dos EX. Hoje ela quer dançar até o chão, quer beber sem culpa, quer rir com as amigas. Ela quer LIBERDADE

Que lhe tem amor

Queria poder te deitar em meu colo e te fazer esquecer todo o seu passado. Apagar suas dores, realizar teus sonhos, suprir suas necessidades, excluir teus outros amores. Queria reescrever sua história e em cada página escrever sobre amor, sobre o meu amor por você. Queria ler teus pensamentos e ser aquela com quem você sempre sonhou, alguém com quem você possa sempre contar. Não posso, sou e sempre serei aquela pobre menina que lhe tem amor.

Fim.

O que seria o fim do mundo pra você pode não ser o fim do mundo pra mim. Sim, me desculpe meu amigo, mas é assim que é. Tantas coisas podem representar o fim. Uma roupa que não cabe mais, um amigo que não é mais o mesmo, uma grande decepção, um filme com um final ruim, pessoas passando fome, TPM, amigas de namorados, falsidade… São tantas e tantas coisas que fica até difícil ficar enumerando, falando e pensando. E se for para ser o fim que seja um final extraordinário!

Então bem vindo fim do mundo, estou pronta para REcomeçar

No silêncio da noite

Eu sou uma pessoa da noite, no bom sentido da palavra se é que existe um. É anoite que as coisas ficam claras. É a noite que consigo me enxergar. É anoite que meus medos somem. É a noite que as minhas esperanças florescem. É a noite que trás de volta a vontade de viver. Tão fria, tão sem cor, ela me completa tão bem. A lua, lá em cima, me encara e me condena. Me obriga a enxergar o que eu escondo quando o sol aparece. Escondo porque há pessoas demais, há barulho demais, há felicidade demais, há falsidade demais. Eu prefiro me esconder, como se esconde dos raios do sol. Eu prefiro me isolar como em uma bolha de cristal. E quando a noite cai eu penso na coragem que perdi, no tempo que se foi, nos dias dormidos, nas noites em claros, nas conversas que não tive, nas histórias que guardo só pra mim. A noite a minha alma se enche de alguma coisa que eu não sei o que é, mas me faz bem me faz VIVA. O vento que me abraça me arrepia e faz meu sangue acelerar é o que me mantém forte. A certeza que uma nova noite logo virá é o que mantém no foco. E os meus segredos eu conto a lua silêncio noturno da noite, eu sei que por pior que seja ela não vai me julgar. É dela que tiro as forças que preciso para continuar.

Romance

Eu só queria romance. Amor eu já tenho, mas falta o romance. Não sei dizer a onde foi parar todo o romance que ele tinha, oh eu não sei e se soubesse ia lá buscar só um pouquinho para alegrar. O nosso amor é bom, muito bom, a nossa vida é boa, mas a pitada de romance é essencial. Quem não gosta de surpresas? Quem não gosta de carinho? Quem não gosta do “lenga lenga”? Nunca teve o romance nenhum pouquinho.
Ah se ele soubesse a falta que o seu romance me faz, talvez, ele voltasse atrás. E como me faria a pessoa mais feliz desse mundo, sim um pouco de romance pra mim é TUDO. Liberta a alma, faz os olhos brilharem.

Ei meu amor, o romance pra mim é como uma manhã de natal, necessário pelo menos uma vez ao ano.

Um dia de sorte

Praia. Sol. Mar. O dia estava perfeito para curtir com a galera na praia. E foi isso que Bruna resolveu fazer. Pegou o biquíni, protetor solar, havaianas, uma toalha qualquer, o celular e foi encontrar os amigos no posto 10. Já deitada na areia “pegando um bronzeado” Bruna ver um menino lindo passar. Não ele não é a pessoa mais atraente no mundo, mas algo nele faz o mundo de Bruna parar. Ele sorrir para ela, ela vai em direção a Bruna. ” Ai meu Deus o que fazer ” era só o que ela conseguia pensar. Ele calmamente senta ao lado da toalha e diz um ” Oi, posso conversar com você?” meio tímido, meio atirado. Bruna não consegue responder ela só consegue balançar a cabeça afirmando, e enquanto faz isso sente seu rosto corar, não é o sol. Eles conversam, riem juntos, contam histórias. Até que Léo, esse era o apelido dele, convida Bruna para tomar um sorvete, ela aceita e eles caminham até a barraca de sorvete que tem um pouco mais na frente. A galera começa a gritar já “zuando” o novo casalzinho. Calmamente Léo se atreve a segurar a mão de Bruna, seu coração dispara quando ela percebe o que ele pretende fazer. Ela para de caminhar, ele também. Ele olha em seus olhos, no fundo dos seus olhos. Ele segura seu rosto com umas das mãos e com a outra aperta forte a sua mão. Ele dar um passo a frente, ela congela. Ele avança mais um pouco, o coração dela para. Ele vai chegando mais perto e mais perto, ela não olha mais para nada seus olhos estão fechados e seu coração parou. Eles já conseguem sentir a respiração um do outro. Léo encosta os lábios na boca de Bruna.

Ela acorda, assutada, suando com um sentimento de vazio que só vai crescendo, crescendo. É um buraco que se abre e ela vai caindo não tem ninguém para salva-lá. Uma lágrima escorre em seu rosto uma dor aperta o seu peito. Ela percebe que tudo foi um sonho, que tudo poderia ter sido real, se ela tivesse aceitado o convite do Léo e da galera para ir na praia. Ela sente o vazio aumentar mais e mais. Ela sabe que perdeu uma grande chance de ser feliz.

A porta se abre alguém entra desesperado. É ele. Assustado e com medo Léo segura o rosto de Bruna olha em seus olhos e tenta dizer alguma coisa. Não consegue. Ele se aproxima. Ela para. Léo beija Bruna. Bruna beija Léo. E a alegria volta ao seu coração a esperança ressurgi das cinzas. Ela teve a segunda chance de ser feliz. Ele buscou sua chance de ser feliz.

O triste dessa história é que nem todo mundo busca a sua chance de ser feliz.

A manhã de Mel

Era o primeiro dia de aula dela. Enfim ensino médio. Só que sem os mesmo amigos, sem os mesmos professores, sem os lugares conhecidos para ir. Tudo novo. O medo consumia cada parte do corpo de Melissa. Já era 6:17 o relógio já ia despertar e ela ainda nem tinha conseguido pregar os olhos. O que iria acontecer? O que poderia acontecer? O medo só aumentava. Enfim o despertador quebrou o silêncio. Não tinha mais como evitar. Ela levanta tremendo tanto que mal conseguia andar. Quase se arrastando ela consegue chegar ao banheiro. Liga o chuveiro. Água quente. As lágrimas, que estavam presas até então, começam a rolar. Uma eternidade de 15 minutos se passaram e Mel sai do chuveiro, as lágrimas já foram embora. 7:00 ela desce as escadas e começa a sentir o pânico tomando conta de sua alma. 7:30 Mel já está sentada em uma cadeira qualquer daquela grande sala no meio de todo o barulho de pessoas sorrindo e conversando. Elas se conhecem. Mel é a unica estranha ali. Seu coração aperta seu estômago embrulha e a vontade de chorar novamente aparece. Alguém toca em seu ombro, calmamente ela se vira e percebe que uma menina loira está sorrindo para ela. Mel sorrir de volta. Elas se apresentam. Melissa é convidada a ir conhecer o colégio. Ela vai. Já são 11:45 e Mel sorrir, é como se todo o medo simplesmente tivesse ido embora. Ela tem amigas, ela conheceu todo o colégio, ela pode conversar com as pessoas. Mel percebeu que ter amigos ou não dependia unica e exclusivamente DELA.

Quinze Novembros

Ela nasceu a exatos 15 anos, tão pequena, tão indefesa e tão dorminhoca. E eu, no auge dos meus longos 4 anos 11 meses e 28 dias, achava que ela seria uma boneca com a qual poderia brincar sempre. Sim, ela foi essa boneca com a qual brinquei, me divertir, usei e abusei. Sim, ela seguia todos meus passos, fazia tudo o que eu mandava e chego a acreditar que um dia fui o exemplo que ela tinha a ser seguido. Só que um dia, sem mais nem menos, ela resolveu crescer, conquistou seus próprios amigos, seus próprios desejos e seu próprio espaço. Nos distanciamos, ainda que conseguindo perceber traços tão parecidos com os meus, ela conseguiu sua identidade.
Tão rebelde, a vejo cometendo os mesmo erros que já cometi um dia, tão amiga com seus não sei quantos seguidores no twitter e tão namoradeira com suas histórias engraçadas de ex’s. E assim ela veio caminhando entre trancos e barrancos, entre erros e acertos, entre certezas e incertezas, entre perdas e ganhos, hoje comemorando seus 15 novembros. Tão estranho pensar assim porque não consigo percebe-lá com tão pouca idade, tamanha suas histórias hilárias, mas é totalmente percebível sua fragilidade, cuja a idade lhe oferece.
Hoje ela começa uma nova etapa de sua vida, e o que desejo vai além de felicidades ou juízo. Desejo que ela possa se encontrar em seus próprios sentimentos, que possa saber valorizar as pessoas certas, desejo que não sofra, mas se sofrer que saiba usar isso ao seu beneficio. Desejo que não se rebele tanto, mas que não aceite a rotina. Desejo que se arrependa dos seus erros verdadeiramente e que possa fazer diferente. Desejo que saiba aproveitar os dias e as noites. Desejo que não pense que tudo é festa, mas que nunca deixe de comemorar. Desejo que não brinque com os sentimentos de ninguém. Desejo que não brigue, mas que se brigar saia sempre vencedora. Desejo saúde mental para conseguir resolver todos os problemas. Desejo que seja rodeada de pessoas vencedoras. Desejo que saiba levantar das quedas. Desejo que não deixe o tempo passar sem aproveitar as oportunidades. Desejo que cresça e apareça. Desejo que forme uma família. Desejo que encontre alguém que possa ama-lá. Desejo que na hora certa possa ser um mãe carinhosa. Desejo que pessoas invejosas fiquem longe. Desejo que aprenda a valorizar mais a família. Desejo que seja tolerante. Desejo que tenha paciência, mas que não fique parada. Desejo que saiba contar até 10 ou até 1000 se for preciso. Desejo não viva somente virtualmente. Desejo que possa conhecer o mundo. Desejo que não desista nunca, há sempre uma luz no final do túnel. Desejo… Ah, os meus desejos, que são tantos e as vezes tão bobos, são todos para que possa viver da melhor forma possível. Enfim desejo que a FELICIDADE esteja presente em todos os dias, mas que você possa ser forte para os momentos em que ela lhe faltar.

Comemore, dance, cante, chore porque de todos os novembros hoje é especial.

This entry was posted in Textos.

Nove meses

Quantas coisas podem ser feitas em 9 meses? É o tempo que um feto leva para se desenvolver, em nove meses é possível
cometer erros, fazer viagens, brigar, conhecer pessoas, perder amizades, ir em lugares diferentes, passar noites em claro,
é possível deixar um semestre para trás, ir em dezenas de aniversários, passar por algumas estações do ano, é possível
mudar de opinião, mudar de estilo, mudar de casa, simplesmente MUDAR. Em nove meses é possível conhecer um amor, viver esse
amor e matar esse amor. Ah, são 270 dias, 6480 horas, nove meses são nove meses e ponto. E poderia ser nove meses
de qualquer coisa, mas não é qualquer coisa que venho comemorar.
Venho falar de amor, do meu amor! Venho aqui fala dos nove meses em que você esteve presente todos os dias, em que
você não deixou a chama se apagar nem por um segundo, nove meses que carregam um peso e uma importância bem maior.
E se eu puder agradecer com palavras, muito obrigado meu amor pelos nossos seis anos e nove meses.

This entry was posted in Textos.
Página 5 de 7« Primeira...34567